Bares literários e degustação de uísque são programas típicos obrigatórios para entrar no clima escocês

Agência Estado

Beehive Inn, um dos pubs mais famosos de Edimburgo
Reprodução
Beehive Inn, um dos pubs mais famosos de Edimburgo

Os escoceses gostam de afirmar que, com uma paisagem como a que possuem, chega a ser difícil não virar poeta ou escritor para usá-la de inspiração. Justificativa que vem lá do fim dos anos 1700, época em que Sir Walter Scott (1771-1832) se consagrou como primeiro poeta nacional - e, mais tarde, como o escritor mais célebre da Escócia. Scott e seus conterrâneos também dedicados às letras, como o poeta Robert Burns (1759-1796) e Robert Louis Stevenson (1850-1894), autor de O Médico e o Monstro, foram assíduos frequentadores de clássicos pubs.

E essa história você pode saber, com um pouco mais de detalhes, no tour dos pubs literários ( edinburghliterarypubtour.co.uk ; 10 libras ou R$ 33). Criado em 1996, é uma mistura de passeio turístico com encenação, já que os dois guias-atores ora assumem o papel dos escritores, ora recitam trechos de suas obras. O ponto de encontro é o Beehive Inn, onde os participantes do tour fazem o primeiro brinde assim como Burns costumava fazer. Depois, são duas horas de andanças, histórias e pausas em outros pubs, que se orgulham de terem sido endereços de preferência dos literatos.


Mais:
- Conheça as belezas de Edimburgo 

Destilado
Há quem vá por curiosidade, para fazer uma completa imersão sobre o processo de fabricação da bebida ou simplesmente para aproveitar a degustação sempre incluída. Mas não existe um só turista que não fique impressionado com a coleção de garrafas do Whisky Experience ( scotchwhiskyexperience.co.uk ; tours desde 12,50 libras ou R$ 41). São mais de 3 mil unidades cor de ouro que brilham como joias preciosas dispostas em prateleiras.

E pasmem: a maior coleção de uísque escocês do mundo já pertenceu a um brasileiro. Foi por volta de 1970 que o paulistano Claive Vidiz, apaixonado pela bebida e o legítimo single malt, começou a viajar em busca de exemplares raros - como, por exemplo, uma das 69 garrafas de malte único Strathmill, envelhecida 100 anos, produzida para celebrar o centenário da destilaria Speyside.

Depois de entrar para o Guinness Book, em 1993, decidiu vender todo seu acervo por um valor nunca revelado e, hoje, lá está ele exposto para quem quiser apreciar. Na sala de exibição, a sua explicação, dada na época do negócio: "No Brasil, temos a expressão que diz que o bom filho à casa volta e, na minha visão, a coleção está de volta à sua família".

(*) Por Bruna Tiussu, de Edimburgo

Acompanhe as novidades do iG Turismo também pelo Twitter .

Leia ainda:
- Navio da família real inglêsa está aberto a visitação em Edimburgo
- Roteiro de compras em Londres

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.